Quero Doar

Se você tem menos de 35 anos e necessita realizar tratamento de fertilidade e deseja participar do programa de doação compartilhada, preencha o formulário.


Doação compartilhada1) Quem pode doar e/ou receber óvulos?

É permitida a doação de óvulos, apenas a situação identificada como doação compartilhada de oócitos em reprodução assistida, onde doadora e receptora, participando como portadoras de problemas de reprodução, compartilham tanto do material biológico quanto dos custos financeiros que envolvem o procedimento de reprodução assistida. A doadora tem preferência sobre o material biológico que será produzido.

2) Posso vender meus óvulos ou comprar óvulos de pessoas interessadas em doar?

A doação nunca terá caráter lucrativo ou comercial.

3) A identidade dos doadores e receptores é preservada?

Obrigatoriamente será mantido o sigilo sobre a identidade dos doadores de gametas e embriões, bem como dos receptores. Em situações especiais, as informações sobre doadores, por motivação médica, podem ser fornecidas exclusivamente para médicos, resguardando-se a identidade civil do doador.

As clínicas, centros ou serviços que empregam a doação devem manter, de forma permanente, um registro de dados clínicos de caráter geral, características fenotípicas e uma amostra de material celular dos doadores, de acordo com a legislação vigente.

4) Qual a idade limite para quem deseja doar?

A idade limite para doação de gametas é de 35 anos para a mulher e 50 anos para o homem.

5) Existe algum outro motivo para preservar a identidade do doador?

Sim, na região de localização da unidade, o registro dos nascimentos evitará que um(a) doador(a) tenha produzido mais que duas gestações de criança de sexos diferentes numa área de um milhão de habitante.

6) Quem escolhe a doadora?

A escolha dos doadores é de responsabilidade da unidade. Dentro do possível deverá garantir que o doador tenha a maior semelhança fenotípica e imunológica e a máxima possibilidade de compatibilidade com a receptora.

Não será permitido ao médico responsável pelas clínicas, unidades ou serviços nem aos integrantes da equipe multidisciplinar que nelas trabalham participar como doador nos programas de reprodução assistida.

7) Quantos óvulos podem ser doados?

O número máximo de oócitos e embriões a serem transferidos para a receptora não pode ser superior a quatro. Quanto ao número de embriões a serem transferidos, fazem-se as seguintes recomendações:

  1. a) mulheres com até 35 anos: até dois embriões;
  2. b) mulheres entre 36 e 39 anos: até três embriões;
  3. c) mulheres entre 40 e 50 anos: até quatro embriões;
  4. d) nas situações de doação de óvulos e embriões, considera-se a idade da doadora no momento da cole ta dos óvulos.

8) Como funciona o tratamento para doação compartilhada?

São 5 etapas:

1 -Estimulação dos ovários da mulher que doará óvulos (doadora).
2 – Captação destes óvulos por via vaginal.
3 – Doação de parte (no caso da doadora também estar sendo tratada) dos óvulos para outro casal ou mulher.
4 – Fertilização dos óvulos doados com os espermatozoides do casal receptor.
5 – Transferência dos embriões formados para o útero da mulher receptora.

9 – Como é escolhida a doadora?

A doadora é uma mulher com características únicas. Primeiramente, precisa ter boa quantidade e alta qualidade de óvulos. Depois, precisa ser avaliada com cuidado (histórico médico, exames de sangue e de imagem) e consentir que a doação de óvulos seja feita.

10 – Qual a diferença entre ovodoação e adoção?

Apesar de a adoção ser uma opção, existem diferenças importantes que tornam o tratamento com óvulos doados, único. A primeira é que a doadora apresenta características compatíveis com a receptora. A segunda é que há a participação genética do homem e fisiológica da mulher. A mulher que recebe óvulos vive toda gravidez e parto, é capaz de amamentar e sedimenta, intensamente, a ligação com o seu filho. Neste sentido, o tratamento com óvulos doados é positivo e gratificante.

Infelizmente, no Brasil, ainda há falta de doadoras. Isto ocorre por diversos motivos, mas o principal é a falta de informação. A doação pode ser uma ótima opção em algumas situações.

Um exemplo é quando a mulher tem muitos óvulos, mas não quer ter embriões congelados, por motivos religiosos, financeiros ou outros. Neste caso, uma parte dos óvulos poderia ser doada.

Cadastre-se

Insira seu e-mail abaixo para receber as novidades do nosso blog. Você receberá dicas e será avisado sempre que publicarmos algo por aqui.